quarta-feira, junho 11, 2008

Ritual de Café para o dia dos namorados!

Ah, estava eu chegando de mais um passeio noturno de bike (em uma noite estrelada e sem lua), quando encontro em minha porta uma caixa endereçada a mim, vinda do Condado de Deux Chevaux - para quem não sabe, um lugar mitológico, como Avalon (sem as brumas), Atlantis (sem a água) ou Sbørnia (onde se dança o Copérnico, mas esta só os gaúchos sabem onde fica). Mas, voltando a vaca fria, a caixa me foi enviada pelo famoso Oliver Pickwick, morador ilustre desta cidade que, apesar de mitológica, aparentemente tem correio e internet. Dentro da caixa havia uma carta, escrita em computador, e uma fita cassete - contrastes de Mr. Pickwick, cuja idade é um mistério, alguns dizem que é apenas um guri, outros, Matusalém. Eu acho que é um pouco de cada, depende de quem olha. Busquei um gravador no meu sótão, literalmente cheio de aranhas, e ouvi a fita: havia duas músicas. A carta continha lucubrações interessantíssimas, entre elas a descrição de um Ritual de Café, que achei muito apropriado para o Dia dos Namorados de amanhã. Segue trecho da carta de Mr. Pickwick:

"[Este é] um ritual que inventei há certo tempo, com a utilização de uma xícara de café e uma dose de Curaçao Blue. O café pode ser expresso (tenho uma máquina doméstica em casa), ou o café de coador. Neste caso, eu esquento o pó numa panela com bordas baixas, rigorosamente seca. É uma simulação do ato de torrar o café numa fazenda. É preciso cuidado para não queimá-lo. Quando exalar o cheiro típico de café torrado, você pode coá-lo. Em seguida, você vai bebendo aos poucos, até a metade da xícara. Daí em diante, você alterna, um gole de café, outro de Curaçao Blue, tendo o cuidado de que ambos terminem ao mesmo tempo. Dá um toque refrescante aos goles de café. Você pode substituir o licor por outro de sua preferência, mas, se estiver apaixonada, o Curaçao Blue é fundamental por causa da belíssima cor azul-turquesa, um convite ao romance e às coisas do amor.

Como playback time, sugiro uma balada jazística das décadas de 30 ou 40. Estou lhe enviando My Funny Valentine e The Way You Look Tonight. Ambas são perfeitas para este ritual.

Além disso, também pode acrescentar conversas sobre Avalon, Myfair, Lilith, Merlin, e histórias celtas de encantamento e magia."

Perfeito! E o que seria de um ritual sem a música? A versão que ele me enviou de "My Funny Valentine" é maravilhosa, cantada por Matt Damon no filme "O talentoso Ripley". Encontrei um clip no youtube desta exata versão, vale a pena dar uma olhada:




E feliz Dia dos Namorados!

(Para conhecer Mr. Pickwick e um pouco do Condado, acesse O Melhor Blog Sobre Nada.)

4 commentários:

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Adorei, Clarissa! Será que ele vai saber da existência desse post? Tomara que sim para cair na real ou para dar gargalhadas, se for um cara normal.
Mudando de assunto, menina, os dois outras comentários que vieram antes de vc acharam que A Dama e o Unicórnio é um filme! Um disse: Não vi nenhum dos dois, mas o segundo me parece mais interessante! Santa ignorância. Fui aos seus respectivos blogs e lhes expliquei. Acho que nem vão ficar vexados, essa gente não tem vergonha de nada. Vc viu que há cerca de um mês saiu um livro intitulado "Como falar dos livros que vc nunca leu", escrito por um professor universitário e que está no top?
Mas adorei o seu post, só não vou falar muito, senão me chamam de fofoqueira (Ah, ah, ah!)
Beijos,
Renata

osátiro disse...

Ora aí está uma sugestão bem imaginada.
e um blog bonito.
Bjs

Oliver Pickwick disse...

Desta vez não deixei o café esfriar.
Viajei na Quarta feira bem cedo para Morro São Paulo (infelizmente, a trabalho) e só retornei na Sexta, à noite.
Li o post rapidamente, numa lan house da cidade de Valença. Ficou ótimo pela ambiência, além dos complementos charmosos que você criou.
Também gostei do clima de mistério em torno do Condado de Deux Chevaux e do seu pacato morador. Um guri ou Matusalém? Esta foi ótima. ;)
Conheço o clip que adicionou. O Talentoso Ripley é um ótimo filme, já assisti duas vezes.
Por falar em talento, apreciei muito a maneira que transformou uma mensagem singela num ótimo artigo. Quem sabe não repetimos a experiência? ;)
Um beijo!

P.S.: Desculpe a demora em responder, mas a minha falta de tempo está tornando-se crônica.

Rosamaria disse...

Clarissa

Vim lá do Oliver. Teu post ficou maravilhoso!
Vou voltar pra ver as receitas, que pelo jeito das panquecas devem ser ótimas.
Bjim.